Projecto Artémis ® - Forum

Morrer ao nascer

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Morrer ao nascer

Mensagem  fernandapinto em Qua Jul 09, 2008 10:19 pm


Morrer ao Nascer

Adriana Campos | 2008-07-08

Se no passado a morte ao
nascer era algo relativamente frequente, actualmente, com a descida da
taxa de mortalidade infantil, morrer ao nascer é o que menos se espera
e aceita...


"(...) Falar de
concepções, gravidez e partos, do período em que uma mulher tem de
combater a impureza fechada num quarto longe de todos, até que o sangue
pare de correr, não eram conversas para ter com crianças, que viam
chegar os irmãos ao quarto de brinquedos como se a cegonha os tivesse
trazido. Mas Maud teve pena da aflição da princesa:
- O bebé que a senhora duquesa trazia na barriga morreu ao nascer, paz à sua alma - disse benzendo-se.
E a criança percebeu que, tragédia das tragédias, o irmão era um rapaz, John of Plantagenet (...)."
Filipa de Lencastre. A rainha que mudou Portugal. Isabel Stilwell. A Esfera dos Livros.


Estou de tal maneira
apaixonada por este livro de Isabel Stilwell, que não me canso de
citá-lo. Este episódio do século XIV (20 de Maio de 1364) trouxe-me à
memória a morte recente de um recém-nascido, filho de uma mãe por quem
tenho uma ternura especial!

Se no passado a morte ao nascer era
algo relativamente frequente, actualmente, com a descida da taxa de
mortalidade infantil, morrer ao nascer é o que menos se espera e
aceita... diria mesmo que é algo quase que proibido.

Contrariamente
ao que muitos supõem, o luto numa situação destas é muito difícil,
sendo as razões variadas. Qualquer morte inesperada provoca um mergulho
violento na dor, uma vez que não houve previamente uma preparação para
esta. À volta do bebé que vai nascer existe sempre uma expectativa
imensa e um grande investimento em termos afectivos, por parte dos pais
e da família. Por isso, o ponto final numa vida que iria começar é
desastroso em termos emocionais.

Um sentimento que dificulta
todo o processo de aceitação da perda é a culpa. A figura materna
culpa-se, de alguma forma, pela morte daquela vida e antecipa futuros
insucessos no âmbito da maternidade. A sentimentos como confusão, medo,
cólera e desorientação, junta-se frequentemente uma certa inveja
relativamente às mães que acabam de ter os seus bebés saudáveis.

Algumas
pessoas consideram que, pelo facto de a vida ter sido curta, existem
poucas memórias e poucos laços e, por isso, aquele filho poderá ser
rapidamente esquecido e substituído. Habitualmente fazem comentários
que, embora sejam bem-intencionados, têm um efeito negativo: "Não se
importe, é muito nova e por isso poderá vir a ter mais filhos.", "Foi
melhor assim, se fosse mais tarde era pior.", "A vida é assim mesmo,
tem de seguir em frente." Estes são apenas alguns exemplos do que não
deve ser dito a alguém que perde um filho, ainda que numa situação de
aborto. Em qualquer situação de perda é fundamental reconhecer e
validar a dor, dando oportunidade aos pais e aos familiares de fazerem
o seu luto.

À personagem do livro que citei nunca foi dada
nenhuma explicação sobre aquele e outros irmãos que nasceram sem vida.
Alguns séculos depois, sabe-se que se existirem irmãos mais velhos é
fundamental que os pais lhes falem do sucedido, respondendo a todas as
perguntas, tendo em atenção a idade da criança. Mentir ou manter os
mais novos fora do processo é absolutamente contraproducente.

Nesta
como em todas as situações de perda, só as lágrimas e a passagem do
tempo poderão ajudar a suavizar a dor. O silêncio relativamente ao
filho perdido é absolutamente proibido no seio da família, porque a sua
existência, ainda que curta, é inegável e o seu espaço é eterno no
coração de quem amou e sonhou com uma vida nova, ainda no útero materno.

in Educare.pt
avatar
fernandapinto
Artemisa
Artemisa

Feminino
Número de Mensagens : 144
Idade : 44
Localização : Braga
Emprego/lazer : Professora
Data de inscrição : 14/12/2007
Reputação : 0
Pontos : 3623

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Morrer ao nascer

Mensagem  sonia carneiro em Seg Jul 02, 2012 4:26 pm

Lindo.

Concordo com tudo o que esta aqui escrito.O meu bebé morreu ao nascer e para mim é eterno amo e amarei sempre e nunca me esquecerei.Será sempre o meu primeiro filho, o meu menino lindo.

Amo-te muito Gonçalo..NUNCA TE ESQUECEREI FILHO..Obrigada por teres feito parte da minha vida. Smile *

sonia carneiro
Artemisa Frequente
Artemisa Frequente

Feminino
Número de Mensagens : 53
Idade : 29
Localização : Porto
Data de inscrição : 06/04/2012
Reputação : 1
Pontos : 2083

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum